Google+

sexta-feira, agosto 06, 2010

Como foi formada a biblia ? O que é cânon bíblico ?



Autor: D. Estêvão Bettencourt
Fonte: http://www.veritatis.com.br/apologetica/solascriptura/814-um-livro-que-conta-como-a-biblia-foi-formada-pela-igreja-catolica


Em síntese: O Prof. Alessandro Lima entrega ao público um estudo minucioso e bem documentado sobre a história do catálogo bíblico: mostra assim que não foi o Concílio de Trento que acrescentou sete livros à Bíblia, mas foi Lutero que os retirou.

Alessandro Lima é professor universitário na área de Engenharia em Brasília. Desde 1999 dedica-se ao estudo do Cristianismo dos primeiros séculos, estudo pelo qual foi levado a deixar o protestantismo e ingressar na Igreja Católica no final de 2000.

Acaba de publicar um livro sobre a história do cânon bíblico, chegando a demonstrar que não foi o Concílio de Trento que acrescentou sete livros à Bíblia, mas foi Martinho Lutero quem os retirou da Bíblia. Nas páginas subseqüentes exporemos o conteúdo da obra de A. Lima em seus traços principais, dada a importância da temática.

1. Nomenclatura

A palavra cânon vem do grego kanón = régua, que por extensão passou a significar catálogo.

Na linguagem católica há livros protocanônicos (catalogados em primeira instância), que os protestantes chamam simplesmente “canônicos”.

Há livros deuterocanônicos (catalogados em segunda instância, depois de discutidos), que os protestantes têm como “apócrifos”. São sete: Tobias, Judite, Eclesiástico, Baruque, Sabedoria, 1/2 Macabeus, além de fragmentos de Daniel e Ester.



Há outrossim livros apócrifos, que os protestantes designam como pseud-epígrafos (=falsamente intitulados): Evangelhos de Tomé, de Pedro, de Nicodemos...

2. Os critérios de inspiração bíblica

A S. Escritura não define o seu catálogo, de modo que é preciso consultar outras instâncias para poder afirmar que tal ou tal livro é inspirado por Deus. – E quais seriam essas instâncias?

1) Há quem diga que “O Espírito Santo afirma claramente que a Bíblia é inspirada por Deus”. Esta é uma noção muito subjetiva, que qualquer personagem pode professar a respeito do Alcorão, dos Vedas...

2) A inspiração divina pode ser averiguada pela inspiração que a Bíblia causa no crente. Com outras palavras: o livro é inspirado porque inspira. – Ora são muitos os livros que inspiram, e, por vezes, mais do que alguns livros bíblicos; ver a propósito as narrativas de guerra de Josué.

3) A sublimidade de estilo do livro o comprovaria como inspirado. – A propósito observamos que muitos livros bíblicos foram redigidos em estilo pouco elegante; tenha-se em vista o Apocalipse, que emprega construções gregas correspondentes a “nós vai”, “eu lhe digo: Toma teus papéis”.

4) O autor do livro e seu nome garantem a inspiração. – Ora há vários livros cujo respectivo autor é ignorado; ver Hb.

Ainda que um livro trouxesse o rótulo: “inspirado por Deus”, não se lhe poderia dar crédito, pois é muito fácil dizer isto sem prova ulterior.

Por conseguinte o critério de inspiração e canonicidade há de ser depreendido de algo de fora da Bíblia, ou seja, da tradição oral, que é anterior à escrita e a acompanha sempre, através do Magistério da Igreja.

3. Dois catálogos do Antigo Testamento

Deve-se notar que os judeus tinham dois catálogos de sua literatura sagrada:

- o de Jâmnia, cidade do Sul da Palestina, onde os rabinos se reuniram por volta do ano 90 para delimitar seu catálogo e evitar que os escritos cristãos se aglutinassem aos do Antigo Testamento. Tais critérios eram fortemente sugeridos pelo nacionalismo de Israel, que desde 587 a.C, estava sob o jugo estrangeiro; assim estipularam que todo livro sagrado deveria ter sido escrito em hebraico (não em aramaico nem em grego); e somente na terra de Israel poderia ter sido inspirado (não no Egito nem na Babilônia). Por força destes critérios não foram reconhecidos os sete livros ditos “deuterocanônicos”;

- o catálogo de Alexandria, onde havia uma famosa colônia judaica, que falava uma língua estrangeira (grego) e vivia em terra estrangeira. Os judeus tanto assimilaram o linguajar local que foram traduzindo a Bíblia do hebraico para o grego entre 250 e 100 a.C. Essa tradução é também dita “dos Setenta” por causa de uma lenda, que afirmava ser ela obra de setenta e dois homens, que, encerrados em cubículos independentes uns dos outros, traduziram as páginas sagradas do mesmo modo. Essa tradução grega contém os sete livros deuterocanônicos e alguns outros livros tidos como sagrados. Eis, porém, que os Apóstolos e evangelistas, escrevendo em grego, citaram o Antigo Testamento na versão dos LXX; é o que se depreende os seguintes exemplos:

Em Mt 1,23, o evangelista usa o vocábulo “virgem” (parthénos) do texto grego em vez de “jovem” (almah em hebraico).

Em At 7,14s Estêvão diz que Jacó levou para o Egito 75 descendentes (LXX) em vez de dizer 70 como se lê no texto hebraico. Cf. Gn 46,26s.

Em At 7,43 Estêvão cita um deus pagão como Renfan (LXX) em lugar do nome hebraico “Quijum”.

Estes dados demonstram que a tradução dos LXX não era utilizada somente pelos judeus de Alexandria, mas também pelos da Palestina. Em conseqüência deste amplo uso dos LXX as gerações cristãs foram propensas a aceitar não somente o texto dos LXX, mas também seu catálogo mais amplo. Isso suscitou hesitações entre cristãos dos três primeiros séculos, mas finalmente a dúvida foi superada pelo reconhecimento dos deuterocanônicos em 393 por parte do Concílio Regional de Hipona, que emitiu um decreto sobre o assunto adotando o cânon amplo, como se lê a seguir:

“Devemos agora tratar das Escrituras Divinas. Vejamos o que a Igreja Católica universalmente aceita e o que deve ser evitado: Começa a ordem do Antigo Testamento: um livro da Gênese, um do Êxodo, um do Levítico, um dos Números, um do Deuteronômio, um de Josué (filho de Num), um dos Juízes, um de Rute, quatro livros dos Reis, dois dos Paralipômenos, um livro de 150 salmos, três livros de Salomão (um dos provérbios, um do Eclesiastes, e um do Cântico dos Cânticos). Ainda um livro da Sabedoria e um do Eclesiástico. A ordem dos Profetas: um livro de Isaías, um de Jeremias com Cinoth (isto é, as suas lamentações), um livro de Ezequiel, um de Daniel, um de Oséias, um de Amós, um de Miquéias, um de Joel, um de Abdias, um de Jonas, um de Naum, um de Habacuc, um de Sofonias, um de Ageu, um de Zacarias e um de Malaquias. A ordem dos livros históricos: um de Jó, um de Tobias, dois de Esdras, um de Ester, um de Judite e dois dos Macabeus. A ordem das escrituras do Novo Testamento, que a Santa Igreja Católica Romana aceita e venera são: quatro livros dos Evangelhos (um segundo Mateus, um segundo Marcos, um segundo Lucas e um segundo João). Ainda um livro dos Atos dos Apóstolos. As 14 epístolas de Paulo Apóstolo: uma aos Romanos, duas aos Coríntios, uma aos Efésios, duas ao Tessalonissenses, uma aos Gálatas, uma aos Filipenses, uma aos Colossenses, duas a Timóteo, uma a Tito, uma a Filemon e uma aos Hebreus. Ainda um livro do Apocalipse de João. Ainda sete epístolas canônicas: duas do Apóstolo Pedro, uma do Apóstolo Tiago, uma de João Apóstolo, duas de outro João (presbítero) e uma de Judas Apóstolo (o zelota)”.

É de notar que tal cânon não assumiu todos os livros contidos no cânon dos LXX: Odes de Salomão, 3/4 Esdras, 3/4 Macabeus... o que só se explica pela ação do Espírito Santo guiando sua Igreja. Aliás foi o Espírito prometido por Jesus à Igreja quem orientou os trâmites para se chegar ao cânon autêntico.

A definição de Hipona foi confirmada por concílios regionais posteriores no Ocidente. Quanto ao Oriente, o Concílio de Trulos (692) repetiu a definição dos concílios anteriores, ficando assim o cânon amplo usual em toda a Igreja. Houve, sem dúvida, vozes destoantes, como a de São Jerônimo. Eis que foi para Belém estudar hebraico com os rabinos e lá assumiu o cânon de Jâmnia, mas mesmo assim traduziu para o latim os deuterocanônicos. Na Idade Média Hugo de São Vítor (1141) também abraçou o cânon restrito. Eram vozes isoladas, que não prevaleceram sobre o pensamento comum da Igreja.

No século XV, em 1454 a primeira Bíblia impressa por Joseph Gutenberg continha os deuterocanônicos, 50 anos antes da Reforma protestante.

O Concílio de Trento (1545-1563) nada acrescentou à Bíblia, foi Martinho Lutero quem eliminou da Bíblia os deuterocanônicos, adaptando-se ao Sínodo de Jâmnia.

Note-se porém, que o próprio Lutero traduziu para o alemão os deuterocanônicos.

Observa o Prof. Alessandro Lima:

“Felizmente alguns estudiosos protestantes em contato com os testemunhos dos primeiros cristãos têm constatado a verdade. É o caso do historiador J.N.D Kelly:

‘Deveria ser observado que o Antigo Testamento admitido como autoridade na Igreja era algo maior e mais compreensivo que o Antigo Testamento protestante [...] ela sempre incluiu, com alguns graus de reconhecimento, os chamados apócrifos ou deuterocanônicos. A razão para isso é que o Antigo Testamento que passou em primeira instância nas mãos dos cristãos era.... a versão grega conhecida como Septuaginta... a maioria das citações nas Escrituras encontradas no Novo Testamento são baseadas nelas preferencialmente do que na versão hebraica... nos primeiros dois séculos... a Igreja parece ter aceitado a todos, ou a maioria destes livros adicionais, como inspirados e trataram-nos sem dúvida como Escritura Sagrada. Citações de Sabedoria, por exemplo, ocorrem em 1 Clemente e Barnabé... Policarpo cita Tobias, e a Didaché cita Eclesiástico. Ireneu se refere à Sabedoria, à história de Susana, Bel e o Dragão (livro de Daniel), e Baruc. O uso dos deuterocanônicos por Tertuliano, Hipólito, Cipriano e Clemente de Alexandria é tão freqüente que referências detalhadas não são necessárias’” (KELLY,1978).

Um parecer semelhante é do também protestante Leonard Rost:

“Algumas dessas obras [os deuterocanônicos] foram acolhidas nas coletâneas de livros sagrados que, de acordo com o testemunho dos grandes unciais gregos do século VI, foram adotados pela Igreja cristã em solo egípcio; mas por certo não o teriam sido, se já não fizessem parte de uma coletânea judaica. Só assim se explica o motivo pelo qual esses escritos encontraram acolhida e gozaram do mesmo prestígio que o Cânon hebraico que, por razões de ordem lingüística, quanto mais tempo se passava, menos acessível se tornava aos cristãos na língua original” (ROST, 1980, p. 19-20).

Infelizmente as alterações do Cânon Bíblico não ficaram somente por conta dos Protestantes. A Igreja Ortodoxa Russa a partir do séc. XVII também retirou os livros deuterocanônicos do AT de suas Bíblias. Os livros 3 Esdras e 3 Macabeus foram declarados canônicos nos Concílios Ortodoxos de Jassy na Romênia (1642) e Jerusalém (1672). A Igreja Ortodoxa Copta da Etiópia tem 81 livros ao todo na Bíblia, contendo a mais no NT “Atos de Paulo”, “1 Clemente”, “Pastor de Hermas”, etc. No AT da Igreja Etíope é adicionado o “Livro dos Jubileus”, o “Livro de Enoque”, além de 2 Esdras, etc. A peshita (Bíblia da Igreja Ortodoxa Siríaca) exclui 2 Pedro, 2 e 3 João, Judas e Apocalipse” (pp. 95).

4. Objeções protestantes

Os protestantes procuram justificar sua posição, acusando os livros deuterocanônicos de ensinar heresias; assim, por exemplo:

1) a remissão dos pecados mediante a esmola e Tb 4,10; 12,9; Eclo 3,33. Essa prática, dizem nega a eficácia redentora do sacrifício de Cristo.

A propósito observamos: o sacrifício de Cristo é posterior a tais práticas caritativas. O livro dos Provérbios (10,12) propõe a mesma tese; seria, por isto, necessário eliminá-lo do cânon?

O Novo Testamento ensina a mesma doutrina; ver Mc 9,41; Lc 11,41. Jesus confirma o valor das esmolas juntamente com outras formas de caridade. Ver Mt 6,2: “Quando deres esmola, não faças como os hipócritas...” Cf. 1Pd 4,8; At 10,31.

2) a vingança e o ódio dos inimigos em Eclo 12,6 e Jt 9,4, contradizendo Mt 5,44-48 (“orai por vossos inimigos”). – A respeito vale a pena lembrar que o Eclo pertence ao Antigo Testamento, onde estava em vigor a lei do talião, apresentada em Ex 21,24; Lv 24,20; 19,19-21.

3) a prática do suicídio em 2Mc 14,41. – A propósito vem o caso de Sansão que se suicida; vêm ainda Jz 9,54; 16,28s; 1Sm 31,4s; 2Sm 16,23. Deveriam tais passagens ou tais livros ser eliminados do cânon por causa do crime que narram?

4) ensino de artes mágicas em Tb 6,8s. – A respeito observamos em Tb 8,3 que não é Tobias quem expulsa o demônio, mas é o anjo Rafael. Havia interesse em ocultar a Tobias ação do anjo. Mais: em Jo 9,6, Jesus cura o cego usando saliva. Em Tg 5,14 há a instrução referente ao uso do óleo para aliviar os enfermos. Seriam práticas mágicas? Não. São primícias dos sacramentos.

5) Prática da mentira em Jt 11,13-17 e Tb 5,15; 19. – Ora, no Antigo Testamento lê-se que Abraão mandou sua esposa Sara mentir, dizendo ela que era irmã dele; cf. Gn 20,21. Mais: Jacó, auxiliado por sua mãe, mente ao pai cego dizendo-lhe que era Esaú, o filho mais velho; cf. Gn 27,19. Jacó também enganou o sogro; conforme Gn 31,20. Será que por causa de tais casos, o livro do Gênesis deveria ser retirado do cânon?

Quanto a Judite, ela agiu durante uma guerra e disse inverdade ao chefe do acampamento oposto, das quais este devia desconfiar, tendo-a como provável espiã; Holofernes, porém, deixou-se fascinar pelos artifícios utilizados pela mulher estrangeira. A culpa foi dele, que acabou degolado.

6) Erros históricos cronológicos. O gênero literário dito “midrache” era muito usual entre os judeus; comporta certas imprecisões historiográficas a fim de mais realçar o significado teológico do evento relatado. Ocorre também nos livros protocanônicos; tenha-se em vista, por exemplo, Mt 1,1-17, texto em que o Evangelista apresenta Jesus como filho de Abraão e de Davi mediante 42 gerações, que vão de Abraão a Jesus. Essas quarenta e duas gerações são dividas em três segmentos de quatorze nomes cada um. Com este artifício o evangelista queria dizer que Jesus é Davi por excelência ou três vezes Davi; com efeito 14 é a soma das três consoantes que compõem o nome Davi; tais consoantes tinham valor numérico: D=4 e V=6; donde 4+6+4 = 14. Era mais interessante ao autor sagrado manifestar o papel messiânico de Jesus mediante tal artifício do que contar exatamente quantas gerações se interpunham entre Abraão e Jesus. – Ora o uso do midrache não tirou ao Evangelho de Mateus a sua canonicidade, como não a tira aos deuterocanônicos.

5. Deuterocanônicos e o Novo Testamento

Alessandro Lima aponta ainda algumas passagens do Novo Testamento que aludem a textos deuterocanônicos. Assim:

Hb 11,35 menciona “mulheres que reencontraram seus mortos pela ressurreição”. Quem seriam essas mulheres?

- Poderíamos responder citando a viúva de Sarepta, cujo filho ressuscitou por intermédio do profeta Elias (1Rs 17,17-23) e a sunanita, cujo filho foi ressuscitado por intercessão de Eliseu (2Rs 4,8-37). Trata-se, porém, de dois casos isentos de tortura e perseguição, ao passo que Hb 11,35 se refere a um clima de violência contra os irmãos macabeus que foram torturados e martirizados por não quererem renegar a sua fé, certos de que Deus lhes daria a graça da ressurreição. É, pois, aos macabeus em 2Mc 7,1-40 que Hb se refere.

Ainda é de notar que a carta aos hebreus foi escrita aos judeus da Palestina – o que demonstra que a versão da LXX também era familiar aos habitantes da Terra Santa.

Ap 8,2-5 alude a “sete anjos que assistem diante de Deus... A fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com as orações dos santos diante de Deus” – O pano de fundo desta visão está em Tb 12,12-15. Com efeito diz o arcanjo Rafael a Tobias: “Quando enterrava os mortos, eu apresentava tuas orações ao Senhor. Eu sou Rafael, um dos sete que assistem na presença do Senhor” (Tb 12,12s).

Em Lc 23,35.37.39 e em Mc 15,15-19 os escárnios e zombarias proferidos contra Jesus têm seu pano de fundo literário em Sb 2,13-21.

Além do mais, faz-se necessário notar que nos livros protocanônicos do Antigo Testamento mesmo há o registro de fatos escabrosos, que não invalidam a canonicidade destes livros; apresentam a miséria humana a fim de mais salientar a misericórdia divina. Eis alguns tópicos:

Em Gn 19,30-36 as filhas de Lot embriagam seu pai para ter relações sexuais com ele.

Em Gn 16,15 Abraão tem um filho com sua serva Agar.

Em 1Sm 28 Saul consulta uma pitonisa ou uma necromante.

Em 2Sm 11,1-21 Davi planeja a morte de seu general Urias para poder ficar com a mulher dele.

Estas considerações permitem repetir que nenhum critério usual entre os homens se aplica à escolha dos livros sagrados. Esta é obra do Espírito Santo.

O protestantismo, que professa seguir somente a Tradição escrita (a Bíblia), começa sua história recorrendo à Tradição oral; depois disto cai em contradição rejeitando a Tradição oral como ela vive e fala na Igreja assistida pelo Espírito Santo.

Fonte: PR ano XLVIII, julho 2007. No. 541. Pgs 306-312


Gaudium Press - Notícias Católicas

Noticias de ACI Digital - Brasil

Noticias de ACI Digital - Mundo

ZENIT - O mundo visto de Roma

  ©Servos de Maria - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo